Contra Bolsonaro, secretários estaduais de educação mantêm aulas suspensas

Em pronunciamento, Bolsonaro questionou a quarentena para toda a população e o fechamento das escolas

Foto: Nina Lima/Agência O Globo

Foto: Nina Lima/Agência O Globo

Educação,Saúde

O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), que representa as redes estaduais de educação no País, soltou uma nota nesta quarta-feira 25 afirmando que manterá a recomendação dos governadores do Estado quanto à suspensão das aulas presenciais.

A medida, diz o conselho, “é um ato de responsabilidade, para proteger não só a vida dos nossos estudantes e servidores, mas de todos aqueles que estão em seu entorno, especialmente os idosos e com doenças crônicas”.

As aulas presenciais estão suspensas nos 26 estados do País e no Distrito Federal, com interrupções de 15 a 30 dias, prazos que podem ser estendidos de acordo com as orientações para contenção do coronavírus. As redes estaduais reúnem 30.377 escolas e 15.958.041 alunos.

Algumas redes já começam a ofertar aos estudantes aulas a distância, caso do Amazonas, que iniciou a prática no último dia 23. O Estado vai ofertar diariamente conteúdos do Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano) e também do Ensino Médio via canais abertos de televisão, por plataformas oficiais do governo e também via lives no Facebook e Instagram.

De acordo com o Consed, estados como Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro também já operam no modelo EAD. São Paulo deve iniciar em breve.

No pronunciamento feito na terça-feira 24, o presidente Jair Bolsonaro criticou as medidas adotadas pior governadores, como a quarentena, e questionou o fechamento das escolas, sugerindo que a população retome a vida normal. O presidente defende que seja adotado um modelo de isolamento vertical, que só caberia aos idosos. O modelo segue sendo discutido com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem