Educação

Capes reativa 1,2 mil bolsas para pesquisas de excelência

Recursos foram desbloqueados para bolsistas considerados de alto nível e doutorandos no exterior

Apoie Siga-nos no

O governo federal voltou atrás e reativou, nesta segunda-feira 13, cerca de 1,2 mil bolsas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). O anúncio do desbloqueio tinha sido feito na quinta-feira 9 pelo presidente do órgão, Anderson Correia, em coletiva de imprensa.

Segundo nota, a revisão devolve a verba a 1.224 futuros bolsistas dos programas com conceito 6 e 7 (os mais altos na avaliação da Capes), incluindo 100 doutorandos no exterior que ainda vão concluir as pesquisas no Brasil. Com a atualização, o número de benefícios congelados baixa para aproximadamente 3,5 mil.

O corte de 30% do orçamento do Ministério da Educação (MEC) para recursos de universidades federais em todo o País foi anunciado no mês passado. O anúncio do contingenciamento da Capes para novos pesquisadores foi feito no último dia 3 – sem comunicação prévia com as instituições ou os alunos.

Na coletiva, o presidente da Capes manteve discurso alinhado com o do MEC. “Essas ações poderão ser revertidas mais à frente caso haja descontingenciamento em função da melhoria da economia do País”, disse  Correia.

O ministro Abraham Weintraub alinhou revisões no bloqueio à aprovação da reforma da Previdência, e tentou explicar os números do corte por meio de uma conta com chocolates em um vídeo com Jair Bolsonaro. O ministro foi convocado para dar mais explicações sobre suas políticas na Câmara dos Deputados na próxima quarta-feira 15.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo