Educação

Bolsonaro diz que Decotelli tem inadequações curriculares, mas critica “deslegitimação”

Em entrevista à imprensa, Decotelli chamou o plágio no mestrado de “distração”

Carlos Decotelli, o novo ministro da Educação. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Carlos Decotelli, o novo ministro da Educação. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que há “inadequações curriculares” nos registros do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, mas criticou o que chamou de “formas de deslegitimação” contra o escolhido para chefiar a pasta. A declaração ocorreu nesta segunda-feira 29, nas redes sociais, após reunião com o novo chefe da pasta.

Anunciado como sucessor de Abraham Weintraub, Decotelli sustentou que tinha mestrado na Fundação Getúlio Vargas (FGV), doutorado na Argentina e pós-doutorado na Alemanha. No entanto, sua dissertação de mestrado é acusada de plágio, a Universidade de Rosário disse que ele não recebeu o título de doutor, e a Universidade de Wüppertal negou a titulação de pós-doutorado.

Após os escândalos, Decotelli teve a posse adiada e questionada formalmente no Tribunal de Contas da União (TCU). Em nota, Bolsonaro afirmou que o novo ministro está “ciente de seu equívoco” e que sua capacidade é atestada por colegas.

“Desde quando anunciei o nome do professor Decotelli para o Ministério da Educação só recebi mensagens de trabalho e honradez. Por inadequações curriculares o professor vem enfrentando todas as formas de deslegitimação para o Ministério. O Sr. Decotelli não pretende ser um problema para a sua pasta (Governo), bem como, está ciente de seu equívoco. Todos aqueles que conviveram com ele comprovam sua capacidade para construir uma Educação inclusiva e de oportunidades para todos”, escreveu.

– Desde quando anunciei o nome do Professor Decotelli para o Ministério da Educação só recebi mensagens de trabalho e…

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Monday, June 29, 2020

Em entrevista à imprensa, Decotelli chamou o plágio no mestrado de “distração” e reforçou que concluiu as pesquisas de doutorado e de pós-doutorado nas instituições citadas. Segundo ele, Bolsonaro fez questionamentos sobre seu currículo em reunião, mas manteve sua nomeação para ministro.

Conforme mostrou CartaCapital, especialistas temem que a escolha de Decotelli represente privatizações e cortes orçamentários na pasta da Educação. Em fevereiro de 2019, após a eleição de Bolsonaro ao Palácio do Planalto, Decotelli ocupou o cargo de presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!