Economia

Saída de Prates da Petrobras ocorreu porque o governo quer acelerar investimentos, diz Silveira

O ministro de Minas e Energia negou interferência na decisão de Lula: ‘Não pode ser constrangido por nenhum de nós’

Brasília 16/05/2023 - O ministro de de Minas e Energia, Alexandre Silveira e o presidente da Petrobrás, Jean Paul Prates, durante anúncio da nova política de preços dos combustíveis. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD), afirmou que a demissão do ex-senador Jean Paul Prates do comando da Petrobras se deve à intenção do governo Lula (PT) de acelerar o plano de investimentos da empresa e apresentar resultados rápidos.

É a primeira vez que Silveira se manifesta publicamente sobre a troca na estatal. A declaração foi concedida a jornalistas nesta terça-feira 21, após o embarque de profissionais da Light e da Enel Rio que ajudarão nos reparos à rede elétrica de cidades gaúchas afetadas pelas enchetes.

O ministro teve embates frequentes com o então presidente da Petrobras. Depois de ter sido comunicado da demissão, Prates encaminhou uma mensagem a aliados na qual dizia: “minha missão foi precocemente abreviada na presença regojizante de Silveira e Rui Costa”.

“Tentaram personificar em mim e no ministro Rui Costa [a demissão de Prates]. Isso não aconteceu. O presidente Lula, com 78 anos, não pode ser constrangido por nenhum de nós”, disse o ministro.

Ele destacou que o objetivo da troca é o cumprimento integral do plano de investimentos da Petrobras, que elevou em 31% o volume de recursos a serem aplicados entre 2024 e 2028. A velocidade dos investimentos está associada, segundo ele, aos prazos da política, que exigem a apresentação de resultados rápidos.

Silveira também destacou que a Petrobras tem de servir como “mola propulsora” do desenvolvimento nacional e afirmou que a tese de que o governo interveio na companhia é “completamente inadequada”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo