Economia

Regra fiscal é a bala de bronze e reforma tributária a de prata, diz Simone Tebet

A ministra do Planejamento participou, nesta tarde, de uma audiência no grupo de trabalho que discute a reforma na Câmara dos Deputados

Simone Tebet (Planejamento) e Fernando Haddad (Fazenda) . Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, afirmou nesta terça-feira 4 que a nova regra fiscal, apresentada pelo governo para substituir o teto de gastos, é uma “bala de bronze”, enquanto a reforma tributária seria uma “bala de prata”.

A emedebista participou, nesta tarde, de uma audiência no grupo de trabalho que discute a reforma na Câmara dos Deputados.

“A reforma tributária é a única bala de prata. Eu diria que o arcabouço fiscal é a bala de bronze, o dever de casa dentro do Executivo para dar a credibilidade necessária e permitir que os juros comecem a cair”, avaliou a ministra na sessão.

Segundo ela, a reforma ideal neste momento é a “possível”. Tebet defendeu, por exemplo, a formação de um fundo por 20 anos para compensar estados e municípios por eventuais perdas, além da revisão de incentivos fiscais concedidos no País.

“Essa complexidade e a burocracia geram uma sonegação de 500 bilhões de reais. Só preciso de 20% disso para comprovar que no ano que vem a gente zere o déficit fiscal.”

Em linhas gerais, a nova regra fiscal:

  • fixa o limite de crescimento dos gastos a 70% da variação da receita primária nos 12 meses anteriores (com fechamento em julho). Por exemplo: se o total arrecadado for de 1.000 reais, o governo poderá subir suas despesas em no máximo 700 reais;
  • cria uma banda, ou seja, um intervalo para a meta de resultado primário das contas públicas – a diferença entre o que o governo arrecada e o que ele gasta, excluindo o pagamento de juros da dívida pública. A banda prevê crescimento real da despesa (acima da inflação) entre 0,6% (piso) e 2,5% (teto) ao ano;
  • projeta que se o resultado primário das contas ficar acima do teto da banda, a parte excedente poderá ser utilizada para aumentar os investimentos. A recíproca, porém, está presente: se o resultado primário ficar abaixo do intervalo estipulado, as receitas só poderão crescer até 50% da receita no exercício seguinte; e
  • tem o objetivo de zerar o déficit das contas públicas em 2024, transformá-lo em superávit de 0,5% do PIB em 2025 e gerar um superávit de 1% em 2026.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo