Economia

Petroleiros entram em greve contra privatizações

Sindicato também condena o fechamento de unidades e os impactos à categoria, como planos de demissões e transferências em massa

A produção de petróleo saudita é retomada aos poucos
A produção de petróleo saudita é retomada aos poucos

Uma parcela dos empregados da Petrobrás, parte ligada à Federação Única dos Petroleiros (FUP), decidiu por uma greve de cinco dias a partir desta segunda-feira 25. Desde a manhã, os petroleiros seguem mobilizados em unidades do sistema Petrobrás denunciando o que chamam de desmonte da empresa.

A FUP condena as privatizações e o fechamento de unidades e os impactos à categoria, como planos de demissões e transferências em massa sem negociação prévia. A redução dos quadros efetivos, aponta a federação, vem aumentando o risco de acidentes, bem como o assédio por parte dos gestores, cujas metas para pagamento de bônus e concessão de vantagens incentivam o descumprimento de normas de saúde e segurança, o que viola o acordo pactuado com os trabalhadores.

Outro ponto crítico para a FUP é que, com a privatização, a sociedade acaba pagando preços exorbitantes da gasolina, diesel e gás de cozinha, valores que vão disparar ainda mais com a venda de oito refinarias, responsáveis por metade de toda a produção de derivados de petróleo no país.

Devido a falta de revezamento de turnos, algumas unidades da refinaria Rlam, instalada na Bahia, podem parar entre a noite desta segunda e terça-feira. Segundo a FUP, a greve que prossegue até a sexta-feira 29, não comprometerá as necessidades essenciais da população, pois não afeta o abastecimento de combustíveis.

Na sexta-feira, 22, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) acatou liminar da Petrobrás e estipulou em R$ 2 milhões a multa por dia de paralisação, sob o argumento de que o sindicato indicou a greve a 18 dias do acordo coletivo. A FUP, no entanto, rebate e diz que apresenta suas reivindicações há anos à empresa sem que tenha qualquer retorno.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!