Economia

Petrobras anuncia o cancelamento de privatização da refinaria Lubnor

O comunicado da petrolífera foi celebrado por sindicalistas

Sede da estatal Petrobras. Foto: Arquivo/Agência Brasil FOTO: AGÊNCIA BRASIL
Apoie Siga-nos no

A Petrobras informou, nesta segunda-feira 27, que rescindiu o contrato para a venda da refinaria Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste, a Lubnor, que estava na lista de desinvestimentos do governo de Jair Bolsonaro (PL).

Em nota, a petroleira apontou ausência de cumprimento de “condições precedentes” estabelecidas no contrato, “em que pesem os melhores esforços empreendidos pela Petrobras para a conclusão da transação”.

A Lubnor seria vendida para a Grepar Participações por 34 milhões de dólares. A operação, prevista desde maio de 2022, foi autorizada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade, neste ano.

Sindicalistas se mobilizaram contra a transação sob o argumento de que o preço da privatização da Lubnor estava muito abaixo da estimativa do mercado. Além disso, segundo os petroleiros, a venda impactaria no abastecimento de asfalto para os estados do Nordeste.

Em nota, o coordenador da Federação Única dos Petroleiros, Deyvid Bacelar, celebrou o que disse considerar um “sinal de compromisso do governo do presidente Lula e da nova alta administração da Petrobras de não seguir com as privatizações”.

Inaugurada em 1966, no Ceará, a Lubnor tem cerca de 500 trabalhadores e ocupa 218 mil metros quadrados. A refinaria produz 10% do asfalto no País e tem capacidade instalada de 8 mil barris por dia.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo