Economia

Ou a Enel prova que mudará, ou sai do Brasil, diz ministro de Minas e Energia

Os ‘recados’ de Alexandre Silveira surgem em meio a problemas no fornecimento de energia em São Paulo desde o fim do ano passado

O ministro Silveira vai indicar um nome da Fazenda para o conselho – Imagem: Arquivo/MME
Apoie Siga-nos no

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD), afirmou que a Enel precisa demonstrar, “de forma cabal”, estar disposta a melhorar a qualidade do fornecimento de energia nas três distribuidoras do grupo – Ceará, Rio de Janeiro e São Paulo – ou terá de deixar o Brasil.

As declarações foram proferidas nesta terça-feira 21, durante conversa com jornalistas. O ministro participou de evento na Base Aérea do Galeão, na capital fluminense, onde anunciou o envio de pessoal e equipamentos da Light e da Enel Rio para ajudar na mitigação dos danos causados pelas enchetes em Porto Alegre (RS).

Cerca de 80 eletricistas das empresas se juntarão a técnicos da Equatorial e da CPFL Energia, distribuidoras que operam no estado, para recompor as instalações subterrâneas da capital gaúcha, submersas por dias.

“Nós não transigiremos. Ou ela [Enel] prova que vai mudar, e estamos aproveitando o momento da renovação de energia para isso, para exigir que ela faça adesão às novas regras, ou então ela muda do Brasil“, disse o ministro.

Caso a empresa não assegure investimentos, explicou Silveira, a pasta usará “todos os instrumentos regulatórios possíveis”, incluindo mecanismos como intervenção, para que outras empresas possam disputar a concessão da prestação do serviço de energia.

Os “recados” de Silveira surgem em meio a problemas de energia em São Paulo desde o fim do ano passado. Os apagões em diversos pontos da capital paulista são alvo de reclamações no Tribunal de Contas da União e na Agência Nacional de Energia Elétrica.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo