CartaExpressa

MP junto ao TCU é contra perdão da dívida do RS solicitado por Leite

Subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado diz considerar o pedido de perdão da dívida ‘descabido’

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União pediu que a Corte impeça qualquer iniciativa do Congresso Nacional cujo objetivo seja anistiar a dívida bilionária do Rio Grande do Sul. A solicitação consta de representação enviada ao presidente do TCU, Bruno Dantas, nesta quarta-feira.

A possibilidade de perdoar o débito tem sido aventada pelo governador Eduardo Leite (PSDB). O tucano defende que o governo federal poderia considerar quitada a dívida com a União, em razão da catástrofe que castigou o estado e deixou mais de 160 mortos.

No documento, o subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado reconhece que os gaúchos estão “vivendo uma situação crítica que merece ajuda”, mas diz considerar o pedido de perdão da dívida “descabido”. Cabe à presidência do TCU acolher ou não a demanda.

“Moratória sim, mas perdão não! Em meio à tragédia vivenciada, há gaúchos muito vivos que aparentemente têm se valido da situação, o que requer bastante cuidado a fim de que o erário não seja prejudicado ainda mais”, acrescentou Furtado.

Na semana passada, o presidente Lula (PT) sancionou um projeto de lei que perdoou os juros da dívida do RS, de 4% anuais, e suspendeu o pagamento das obrigações por três anos.

Com a medida, espera-se que o estado tenha um alívio de 11 bilhões de reais em seus cofres, valor que deve ser aplicado em ações de mitigação dos danos causados pelas enchentes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo