Economia

Inflação desacelera em janeiro, diz IBGE

IPCA do mês fechou em 0,42%, 0,14 ponto percentual abaixo da taxa de dezembro

O preço da batata-inglesa subiu 29,45% em janeiro de 2024 e impulsionou a alta dos alimentos. Foto: Acervo IBGE
Apoie Siga-nos no

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal monitor da inflação, de janeiro foi de 0,42% e ficou 0,14 ponto percentual abaixo da taxa de dezembro, de 0,56%. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira 8.

De acordo com o balanço, a inflação oficial do país, acumulada nos últimos 12 meses, é de 4,51%. O índice é menor do que o registrado no mesmo período imediatamente anterior, que tem alta de 4,62%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, sete tiveram alta em janeiro. A maior variação e o maior impacto vieram do grupo Alimentação e bebidas. No grupo, a variação foi de 1,38%, já o impacto é de 0,29 pontos percentuais. A alta foi puxada por itens como cenoura, batata-inglesa, feijão-carioca, arroz e frutas.

O grupo de Saúde e cuidados pessoais é o segundo com maior impacto (0,11 p.p.) e variação (0,83%).

Já a maior queda monitorada pelo IBGE veio do grupo de Transportes, que recuou 0,65%. A baixa foi puxada pela redução nos preços das passagens aéreas e nos combustíveis. Comunicação foi o outro grupo que recuou.

INPC tem alta de 0,57% em janeiro

O IBGE também divulgou, nesta quinta-feira 8, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A taxa, neste caso, teve alta de 0,57% em janeiro, 0,02 ponto percentual acima do resultado observado em dezembro (0,55%).

O INPC acumula alta de 3,82% nos últimos 12 meses, acima dos 3,71% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em janeiro de 2023, a taxa foi de 0,46%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo