Economia

IBGE: desemprego avança para 7,9% no primeiro trimestre de 2024

Índice cresceu 0,5% na comparação com o último trimestre de 2023

Foto: Agência Brasil emprego trabalho comércio desemprego (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

O desemprego no País ficou em 7,9% no primeiro trimestre de 2024. O índice representa um aumento de 0,5 ponto percentual na comparação com o último trimestre de 2023, quando fechou em 7,4%.

O dado, que foi divulgado nesta sexta-feira 17 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), diz respeito à Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua Trimestral.

Segundo o IBGE, na comparação trimestral, a desocupação cresceu em 8 das 27 unidades da federação. A taxa ficou estável em 18 delas, tendo crescido em apenas uma: o Amapá.

Apesar do número em alta do desemprego, a taxa do primeiro trimestre deste ano, se comparada ao mesmo período de 2023, é mais baixa. Um ano atrás, o índice era de 8,8%.

Por isso, “o crescimento da taxa de desocupação do primeiro trimestre de 2024 na comparação trimestral não invalidou a maioria dos indicadores do mercado do trabalho na comparação anual”, sintetizou.

Desigualdade

Os números da PNAD Contínua Trimestral divulgados hoje mostram, mais uma vez, que o desemprego afeta de maneira distinta homens e mulheres. Se a taxa for medida apenas para homens, ela alcança os 6,5%. Já para as mulheres, por outro lado, o índice se aproximou dos dois dígitos, ficando em 9,8%.

O desemprego relativamente controlado no Brasil não indica, porém, que a informalidade não seja uma realidade para muita gente que trabalha. Segundo o IBGE, a taxa de informalidade no País ficou em 38,9% no primeiro trimestre deste ano. 

Além disso, de toda a população ocupada, 25,4% trabalham por conta própria. São pessoas que contribuem para a massa geral de trabalhadores ocupados, mas exercem seus ofícios sem as garantias previstas em lei, como quando se trabalha com carteira assinada.

O percentual de empregados com carteira assinada no setor privado, aliás, ficou em 73,9%. Santa Catarina (87,2%), Paraná (81,8%) e São Paulo (81,4%) lideram o quesito. Três estados nordestinos, porém, estão na parte de baixo da lista: Piauí (49,4%), Maranhão (52%) e Ceará (54,9%).

Renda

Os números de hoje mostraram que a população ocupada do País está recebendo maiores rendimentos, quando se compara com o passado recente, embora os números tenham ficado relativamente estáveis.

O rendimento médio habitual no país foi estimado em R$ 3.123 no primeiro trimestre de 2024, crescendo na comparação com o final do ano passado (R$ 3.077) e com o primeiro trimestre de 2023 (R$ 3.004).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo