Economia

Governo Lula editará uma nova portaria sobre trabalho aos feriados

O ministro Luiz Marinho (PT) se reuniu nesta quarta-feira 24 com centrais sindicais

Brasília(DF), 24/01/2024 - O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, se reúne com representantes de entidades de trabalhadores e empregadores que formam a Mesa Nacional de Negociação. Na pauta, o andamento do acordo referente a portaria (nº 3.665/2023) sobre o trabalho no comércio aos feriados. Foto:Wilson Dias/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo Lula (PT) editará uma nova portaria para fixar as diretrizes sobre o trabalho no comércio em geral aos feriados. A declaração foi concedida pelo ministro do Trabalho e do Emprego, Luiz Marinho (PT), após uma reunião em Brasília nesta quarta-feira 24.

O encontro contou com a participação de entidades como a Central Única dos Trabalhadores e a Central dos Sindicatos Brasileiros.

“A portaria publicada por mim teve o único objetivo de provocar essa mesa de conversa nacional”, disse Marinho. “E nasce dessa conversa uma mesa permanente, tripartite, para discutir e enfrentar toda e qualquer equação eventual que surja daqui para a frente”.

O ministro ainda ressaltou que a portaria deve sair em meados de fevereiro e terá vigência imediata. Ele destacou que a medida não alterará a legislação vigente.

Na prática, o novo dispositivo definirá os setores considerados essenciais e que ficarão excluídos da necessidade de acordo com sindicato para trabalho aos feriados. As categorias indicam que a lista pode contar com mais de 200 negócios, a exemplo de farmácias e postos de gasolina.

Em novembro passado, a pasta de Marinho havia alterado uma portaria de 2021 que liberava permanentemente o trabalho em feriados para uma relação de setores sem necessidade de negociação coletiva. Na ocasião, a decisão do petista impactou principalmente o comércio.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo