Economia

Governo Lula anuncia integração entre o Desenrola e o Serasa; confira como acessar

Dívidas podem ser negociadas até o final de março

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Fazenda anunciou que ampliará o alcance para inadimplentes terem acesso ao programa Desenrola Brasil. A medida é resultado de uma parceria do programa com a B3 – a empresa que opera o Ibovespa – e o Serasa, segundo comunicado divulgado nesta quinta-feira 15.

Desde a última sexta 9, os canais do Serasa oferecem acesso à plataforma do Desenrola. O governo estima que 455 mil pessoas já chegaram ao site do Desenrola por meio dos canais do Serasa.

Para acessar, basta que o usuário faça o login com o número do CPF e a senha pessoal. Ao clicar em “Negociar Dívidas”, poderá ter acesso às propostas. Clique aqui para entrar no site.

Segundo a Fazenda, a renegociação das dívidas poderá ocorrer até 31 de março, quando o programa deverá ser encerrado

A pasta informou, ainda, trabalhar para que novas formas de acesso sejam liberadas para as instituições financeiras que fazem parte do programa.

Nesta quinta, o coordenador-geral de Economia e Legislação do ministério, Alexandre Ferreira, afirmou que o programa impactou, até o momento, 12 milhões de pessoas, com negociações que atingiram a casa dos 35 bilhões de reais. 

A expectativa inicial do governo era atender cerca de 37 milhões de pessoas, o que poderia gerar a negociação de um total de 50 bilhões de reais em débitos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo