Economia

Governo anuncia o pagamento de parte da dívida com organismos internacionais

Falta pagar 1,2 bilhão de reais, segundo o Ministério do Planejamento

A ministra do Planejamento, Simone Tebet. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo federal anunciou, nesta quarta-feira 6, o pagamento de 2,4 bilhões de reais de dívidas com organismos internacionais que não haviam sido pagos até o ano de 2022 e 1,4 bilhão de reais relativos a 2023.

De acordo com o Ministério do Planejamento e Orçamento, o país havia acumulado até o ano passado uma dívida de 5 bilhões de reais com aproximadamente 120 organismos e fundos internacionais. A maior parte dos atrasos se concentrou nos últimos seis anos.

A pasta informou que ainda falta pagar 1,2 bilhão de reais para saldar toda a dívida com organismos internacionais. A expectativa é que o débito seja quitado até o fim do ano.

Um dos destaques, segundo o órgão, foi a regularização com o Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul, o Focem, que beneficia entes subnacionais e instituições na fronteira com países do bloco.

Em postagem na rede social X, a ministra do Planejamento, Simone Tebet, escreveu que o anúncio representa “mais um avanço na economia brasileira”.

“Hoje, anunciamos o pagamento de R$ 2,4 bilhões em dívidas com organismos internacionais, o que mostra o esforço do governo do presidente Lula para quitar dívidas atrasadas, além de refletir a nossa compreensão e compromisso com soluções negociadas para o Brasil e maior integração com os países vizinhos”, postou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.