Economia

Desemprego fica em 14,6% e atinge 14,8 milhões de pessoas, aponta IBGE

Segundo o levantamento, o País registrou 2,1 milhões de desempregados a mais em um ano

Foto: NELSON ALMEIDA/AFP
Foto: NELSON ALMEIDA/AFP

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 14,6% no trimestre encerrado em maio, apontam os dados divulgados nesta sexta-feira 30 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso representa um contingente de 14,8 milhões de pessoas desempregadas no país.

De acordo com o IBGE, esta foi a segunda maior taxa de desemprego da série histórica, iniciada em 2012, ficando atrás apenas da taxa registrada nos dois trimestres fechados em março e abril, de 14,7%. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad).

O IBGE apontou que o desemprego ficou estatisticamente estável em relação aos dois trimestres anteriores, devido ao crescimento do trabalho por conta própria, única categoria profissional que cresceu no período, tendo registrado um avanço de 3% na comparação com o trimestre terminado em fevereiro. Com relação à pesquisa anterior, o contingente de pessoas ocupadas no Brasil aumentou em 0,9%, o que representa 809 mil pessoas a mais no mercado de trabalho.

“Esses trabalhadores estão sendo absorvidos por atividades dos segmentos de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, que cresceu 3,9%, o único avanço entre as atividades no trimestre até maio”, destacou a gerente da pesquisa, Adriana Beringuy.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!