Bolsa brasileira tem o pior desempenho do mundo com a crise do coronavírus

Segundo relatório do banco americano Goldman Sachs, o real também desvalorizou e tem a quarta maior queda no período

(Foto: Agência Brasil)

(Foto: Agência Brasil)

Economia

A Bolsa brasileira tem a maior desvalorização dentre os maiores mercados acionários do mundo com a crise do coronavírus. Foi o que divulgou nesta segunda-feira 23 o banco americano Goldman Sachs. De 17 de janeiro a 20 de março, o Ibovespa em dólares se desvalorizou 52%, aponta relatório do banco.

O segundo pior desempenho é da Indonésia, com queda de quase 50%. África do Sul e Rússia vêm em seguida, com quedas de cerca de 45%. Chile tem o quinto pior desempenho, caindo pouco mais de 40% no período.

Já EUA e Europa ficaram entre os menos afetados, com com cerca de 30% de desvalorização cada.

Segundo o Goldman, este é o pior bear market desde a crise de 2008, quando a Bolsa brasileira caiu 70% em dólares entre maio e novembro de 2008. O banco afirma que um dos catalisadores de uma queda mais expressiva pode ser a forte presença de estrangeiros no país antes do sell-off.

“Ainda estamos intensamente focados nos riscos globais de queda, mas para investidores de longo prazo que buscam valor, acreditamos que os movimentos de ações e câmbio no Brasil parecem exagerados”, diz o Goldman.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem