Economia

42% dos eleitores brasileiros culpam Bolsonaro pela inflação, mostra pesquisa

Desculpas usadas por Bolsonaro para justificar o caos econômico no Brasil aparecem com menos frequência entre os entrevistados

Foto: Gregg Newton/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) é o principal culpado pela inflação galopante no Brasil, segundo apontam 42% dos eleitores entrevistados para a nova rodada da pesquisa PoderData, divulgada nesta segunda-feira 13. Os resultados se mantiveram estáveis desde o último levantamento.

O índice que aponta Bolsonaro como principal culpado vai a 72% entre os entrevistados que desaprovam o atual governo. Entre aqueles que aprovam o trabalho do atual presidente, a parcela que aponta o ex-capitão como culpado pelos preços cai para 8%.

A pesquisa desta segunda ainda mostra que as desculpas usadas pelo ex-capitão para justificar o caos econômico no País aparecem com menos frequência entre os entrevistados.

18% dos entrevistados, por exemplo, apontam que a culpa pelos preços é dos governadores. 13% dizem que a pandemia de Covid-19 seria a justificativa para o aumento de preços e 8% ainda apontam a guerra na Ucrânia como motivador para as altas no Brasil.

Há ainda uma menção muito pequena para a Petrobras – 3% dizem que a estatal é a culpada pela inflação no País – e outra pequena indicação para os empresários brasileiros, que, segundo 2% dos entrevistados, seriam os causadores da alta dos preços no Brasil.

Inflação

Na quinta-feira, o IBGE divulgou uma desaceleração da inflação brasileira. De acordo com os dados, o IPCA desacelerou para 0,47% em maio. A alta nos últimos 12 meses, porém, segue acima dos dois dígitos e bateu 11,73%, segundo os dados do instituto. Entre os maiores vilões da taxa estão a cenoura, com aumento de 116%, e o diesel, que acumula alta de 52% no último ano.

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo