Sérgio Moro diz que homens violentam mulheres pois se sentem intimidados

Para o ministro, as mulheres são melhores que os homens e, por isso, precisam de mais proteção

Sérgio Moro diz que homens violentam mulheres pois se sentem intimidados

Diversidade

Na tarde desta quarta-feira 7, o Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro defendeu que “os homens se sentem intimidados” em relação às mulheres. A fala aconteceu no lançamento do Pacto pela Implementação de Políticas Públicas de Prevenção e Combate à Violência contra Mulheres.

O evento, realizado em celebração aos 13 anos da Lei Maria da Penha, teve a presença da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves, da procuradora-geral da República Raquel Dodge e do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli.

Durante seu discurso, o ex-juiz afirmou que os homens perceberam que “o mundo está mudando e, por conta dessa intimidação, infelizmente, por vezes, recorremos à violência para afirmar uma pretensa superioridade que não mais existe”.

O ministro ainda disse que anteriormente acreditava que políticas de proteção às mulheres eram necessárias por elas serem ‘vulneráveis’. Ele explica que hoje tem o entendimento de que as políticas são necessárias pelo fato de as mulheres serem fortes e estarem em maior número. “Mulheres são melhores, mas precisam de proteção maior, até por essa condição”, explicou.

Ao discursar, a procuradora Raquel Dodge citou a escritora Clarice Lispector: “Liberdade é pouco. O que queremos ainda não tem nome”. “Sim, liberdade é pouco. O que queremos é dignidade”, defendeu.

Damares Alves citou ao final do evento os dados de 2018 do Disque 180. No ano passado, foram 92 mil denúncias de violência contra a mulher. Segundo a ministra, neste ano já foram realizadas 42 mil relatos.

“Tenho um recado para os agressores: acabou a palhaçada no Brasil. Estamos todos unidos contra a violência contra a mulher”, esbravejou Damares.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Estagiária de Jornalismo de CartaCapital.com.br

Compartilhar postagem