Políticas identitárias atuais ‘não mudam estrutura social’, diz autor

Em entrevista exclusiva, Asad Haider defende a volta dos movimentos de massa para mudanças efetivas - inclusive na esquerda

(Foto: Ravi Santana - Reprodução/CartaCapital)

(Foto: Ravi Santana - Reprodução/CartaCapital)

Diversidade

Os fatores decisivos para políticas públicas e justiça social devem ir além da identidade pessoal, mesmo para os setores historicamente excluídos dos espaços de poder. É com essa ideia que Asad Haider, autor norte-americano com descendência paquistanesa, desenvolve o livro Armadilha da Identidade, publicado pela editora Veneta no Brasil. Amparado em movimentos como o dos Panteras Negras, ele argumenta que não há uma prevalência entre classe, raça e gênero: a prioridade é a real transformação.

“Tivemos muitos movimentos históricos contra racismo, sexismo e outras formas de opressão que tiveram seu êxito transformando toda a estrutura social. Eles queriam mudar toda a sociedade, e esses eram movimentos coletivos e de massa”, disse em entrevista a CartaCapital.

No cenário universitário em sua formação como historiador ou na percepção de como era visto após o atentado às Torres Gêmeas – descendente de paquistaneses, ele diz que muitos nem sabiam onde ficava o Paquistão até o ataque -, Haider reconhece que setores da esquerda, por exemplo, são de fato muito brancos. A acusação de falta de representatividade é uma crítica válida, mas nula se não propõe mudar as raízes. No sentido prático, se a violência policial atinge expressivamente mais pessoas negras, “todos deveriam estar revoltados com isso”, diz Haider. “Se essas podem ser conversas que não sejam sobre atacar um ao outro, mas sobre construir novos tipos de solidariedade, esse será o desenvolvimento que precisamos”, analisa.

Assista à íntegra da entrevista:

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem