Diversidade

Brasil registrou ao menos 66 casos de LGBTfobia ligados ao futebol em 2023

Levantamento dos casos foi realizado pelo Observatório da LGBTfobia no Futebol

Camiseta da torcida organizada LGBTricolor. Foto: Reprodução/redes sociais
Apoie Siga-nos no

O Brasil registrou pelo menos 66 casos de LGBTfobia ligados aos campeonatos de futebol até o último domingo 12. É o que revela o levantamento feito pelo Observatório da LGBTfobia no Futebol, organizado pelo Coletivo de Torcidas Canarinhos LGBTQ+.

Segundo o organizador do coletivo, Onã Rudá, embora o levantamento abarque todos os campeonatos, o número poderá ser ainda maior até o encerramento do campeonato Brasileirão. Outro fator relevante é a subnotificação e o desencontro de informações com registros divergentes em boletins de ocorrência que não caracterizam os ataques como LGBTfobia.

Até o momento, o ano de 2023 registrou apenas oito casos a menos que o total em 2022, com 74 ocorrências. A LGBTfobia em campo não se resume aos casos de violência física, ela também está presente nos cânticos homofóbicos e nas ameaças verbais proferidas aos jogadores e torcida adversária.

Homofobia institucionalizada

O relatório também registrou o uso da camisa 24 na última Copa São Paulo, onde apenas 34 dos 128 times participantes inscreveram jogadores com o número. Embora seja de livre escolha, o número 24 é popularmente associado ao veado pela representação no ‘jogo do bicho’.

A associação defende que, embora não mude concretamente o combate efetivo a homofobia, a resistência ao uso do número 24 expõe o preconceito estrutural e enraizado presente no futebol brasileiro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.