Wagner Moura diz que ‘Marighella’ é visto como ameaça e condena atraso

O diretor afirma ainda que, pela primeira vez na vida, se sente ameaçado no Brasil. 'É de cortar o coração', diz

Moura, seu Jorge e o elenco de 'Marighella' no Festival de Berlim (Foto: Tobias SCHWARZ / AFP)

Moura, seu Jorge e o elenco de 'Marighella' no Festival de Berlim (Foto: Tobias SCHWARZ / AFP)

Cultura

‘Marighella’ já gerou discussão, críticas ao governo e à ditadura, já foi elogiado em festivais, mas ainda não tem data de estreia no Brasil. E a demora não parece ser combinada.

Em entrevista concedida ao jornal britânico The Daily Telefgraph, o diretor Wagner Moura apontou que o filme é visto como uma ‘ameaça’ pelos distribuidores, e que a questão tem uma ‘conexão clara’ com a atual situação política do País.

“Eu estava preparado para o filme polarizar as pessoas e para as críticas, mas não estava preparado para nossos distribuidores não terem coragem de lançar o filme”, ​​disse Moura, que está atualmente divulgando o longa no Festival de Cinema de Sydney, na Austrália.

Nas redes sociais, o autor do livro que inspirou o filme, Mário Guimarães, posicionou-se contra o atraso com traços de boicote promovido pela Paris Filmes, responsável pela distribuição no Brasil. Outras pessoas também passaram a criticar a falta de respostas:

“Senti que poderia estar em perigo”

O conteúdo do filme parece não ter impacto apenas nos interesses das Paris Filmes. Wagner Moura, que também é ator, afirmou à reportagem que ‘pela primeira vez na vida’ sentia medo de vir ao Brasil.

“Sempre que vou ao Rio ou a São Paulo, tenho que tomar cuidado. É de partir o coração”, acrescentou. Moura também é famoso por interpretar o papel do Capitão Nascimento nos filmes de Tropa de Elite, além de viver Pablo Escobar para a série Narcos, da Netflix.

Apesar de não ter previsão de estreia no Brasil, Marighella estreou em fevereiro no Festival de Cinema de Berlim – o Berlinale -, com direito a protestos e placa homenageando a vereadora Marielle Franco, assassinada em 2018.

Wagner Moura, a neta de Carlos Marighella, Maria, a atriz Bella Camero e Bruno Gagliasso no tapete vermelho (Foto: Tobias SCHWARZ / AFP)

“Nosso filme não é obviamente somente sobre os que resistiram nas décadas de 1960 e 1970, mas é também sobre os que estão resistindo agora”, disse o diretor na ocasião.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem