Cultura

assine e leia

Uma menina e algumas ditaduras

Sobre o que não falamos insere-se na linhagem de narrativas protagonizadas por vozes feminimas que partem do íntimo para retratar as opressões vigentes no país

Escrita. A autora é socióloga e deixou de dar aulas na FGV para se dedicar à literatura – Imagem: Redes sociais
Apoie Siga-nos no

A primeira coisa que Clara, a narradora de Sobre o Que Não Falamos, nos diz sobre si é que, quando criança, gostava de ficar doente, e na cama. “Com febre ou dor no corpo, eu não apanhava”, logo explicará. O reumatismo, que carrega desde os 4 anos, será tão definidor de sua vida quanto o ambiente violento que a rodeia.

As primeiras páginas do romance de Ana Cristina Braga Martes, socióloga de formação e ex-professora da Fundação Getulio Vargas (FGV), nos transportam de forma bastante visual para a casa simples onde vivem a menina, sua avó e seu avô, um homem que carrega em si a raiva.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

10s