O soberano não morre

Cultura

por Tárik de Souza

People, Hell and Angels


Jimi Hendrix


Sony Music

Mesmo disputado por hordas de novatos virtuosos, iconoclastas ou meramente pretensiosos, o reino da guitarra permanece ocupado pelo mesmo monarca, morto há 43 anos. E o americano de uma Seattle pré-grunge, James Marshall Hendrix, o Jimi Hendrix (1942-1970), não se mantém no trono por acaso.

Além do incontestável talento como guitarrista, cantor, compositor e performer, lançado ao sucesso massivo em plena era Woodstock, era obcecado por seu trabalho. Ensaiava compulsivamente, enfurnava-se no estúdio, pesquisava sonoridades com sua guitarra, pedaleira e caixas de som. Na contramão de mimadas estrelas pop a soldo de gravadoras, ele pagava pelos registros e era dono das matrizes.

Por isso, apesar de ter lançado apenas quatro discos em vida, Are You Experienced?, Axis: Bold as Love (ambos de 1967), Electric Ladyland (1968) e Band of Gypsys (1970), o atual People, Hell and Angels, catapultado ao segundo lugar da parada americana, é seu 12º título póstumo, coproduzido por sua irmã, Janie L. Hendrix, responsável pelo acervo.

 

 

O álbum traz 12 inéditas registradas entre 1968 e 1970, após sua associação com o trio Experience, embora o baterista do grupo, Mitch Mitchell, participe de algumas sessões como Inside Out, em que Hendrix ainda atua como baixista.

O guitarrista Stephen Stills, do  Crosby, Stills, Nash & Young, foi convocado para o baixo na balada blues crivada de breques Somewhere. Billy Cox e Buddy Miles, da Band of Gypsys, alicerçam desempenhos devastadores de Hendrix, como em Hear My Train a Comin’.

A guitarra rítmica de Larry Lee pontua tanto o lamento Izabella quanto o encorpado Easy Blues. Embora as gravações soem desiguais,  têm um alinhavo comum. O traço requintado desse arquiteto que não se recusava a pôr as mãos na massa.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem