Cultura

assine e leia

Legado climático

Paris pretende usar as Olimpíadas de 2024 para impulsionar a sua revolução verde

Apostas. Îlot Fertile será o primeiro distrito parisiense “zero carbono”. A Champs-Élisées ganhará um “jardim extraordinário” antes do megaevento – Imagem: Ilot Fertile/Linkcity e PCA Stream
Apoie Siga-nos no

A cada quatro anos, quando chegam os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, um desfile de bugigangas arquitetônicas – estádios, velódromos, ornamentos simbólicos como a ­ArcelorMittal Orbit de Londres (2012) – é oferecido ao olhar mais ou menos fascinado do mundo. E, a cada vez, surge a dúvida do legado. Que utilidade terão essas estruturas quando terminarem suas semanas de glória? As respostas vão desde as instalações apodrecidas deixadas em Atenas desde 2004 ao acordo pelo qual o Estádio Olímpico de Londres tornou-se o lar do time de futebol West Ham United.

Paris, que sediará as Olimpíadas este ano, promete ser diferente. A maioria dos eventos será realizada em edificações preexistentes, como o Stade de France, originalmente construído para a Copa do Mundo de Futebol de 1998, ou em locais temporários no Centro da cidade. O vôlei de praia e o futebol para cegos acontecerão em frente à Torre Eiffel, o BMX freestyle e o skate na Place de la Concorde. A cerimônia de abertura será um desfile fluvial de 6 quilômetros de extensão através do que a publicidade oficial chama de “impressionante campo de jogo que os atletas ocuparão assim que terminar: a própria Cidade-Luz”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo