Cultura

Filme americano ‘Anora’ leva a Palma de Ouro do Festival de Cannes

O filme conta, com humor, a história de uma stripper que acaba se casando com o jovem herdeiro de um oligarca russo em Las Vegas

O diretor norte-americano Sean Baker discursa após ganhar a Palma de Ouro pelo filme "Anora" durante a Cerimônia de Encerramento da 77ª edição do Festival de Cinema de Cannes, em Cannes, sul da França, em 25 de maio de 2024. Foto: Valery HACHE / AFP
Apoie Siga-nos no

O filme americano “Anora”, do diretor Sean Baker, que conta com humor a relação entre uma stripper e um jovem herdeiro, recebeu, neste sábado (25), a Palma de Ouro do 77º Festival de Cinema de Cannes.

“Este filme é magnífico, está cheio de humanidade […] nos dilacerou”, declarou a presidente do júri, a diretora Greta Gerwig.

Baker, nome de destaque do cinema independente, que saltou para a fala com “Florida project”, dedicou o prêmio “a todas as trabalhadoras do sexo”.

O filme conta a história de uma stripper, interpretada por Mikey Madison, que acaba se casando com o jovem herdeiro de um oligarca russo (Mark Eydelshteyn) em Las Vegas.

Apesar da temática sexual, o filme tem tom de comédia e chega a ser afetuoso.

“Todos estamos fascinados com o mundo do trabalho sexual”, disse recentemente Baker, que abordou este tema em vários filmes anteriores.

Mas o comércio sexual divide opiniões. Muitos o veem como explorador, enquanto outros acreditam que pode ser libertador, afirmou Baker.

“Pode ser explorado infinitamente”, disse o diretor, que se impôs a missão de mostrar personagens que lidam com os mesmos problemas mundanos dos demais.

Outro premiado na cerimônia de encerramento da mostra, neste sábado, o diretor americano George Lucas, criador da saga “Guerra nas Estrelas”, recebeu a Palma de Ouro honorária das mãos do amigo, o também cineasta Francis Ford Coppola.

Esta lenda viva de Hollywood, de 80 anos, “engrandeceu os ‘blockbuster‘ e deu aos espectadores de todo o mundo um prazer sem igual”, segundo a direção do festival.

“Fui apenas um menino que cresceu nos campos da Califórnia e queria fazer filmes”, declarou Lucas.

O festival o comparou a J.R.R. Tolkien, escritor e criador de “O Senhor dos Anéis” por imaginar “um universo com sua geografia, suas populações, seus idiomas, seus valores morais e, inclusive, seus veículos”.

Através dos “nove episódios da saga ‘Guerra nas Estrelas’, inclusive quatro dirigidos por ele mesmo, George Lucas constrói um império de Hollywood”, destacou a mostra.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo