Cultura

Djamila Ribeiro é a primeira brasileira da história a receber o BET Awards

Djamila foi reconhecida pelo trabalho intelectual pela equidade de raça e gênero, além de disseminar produções críticas de pessoas negras

Djamila Ribeiro. Foto: Helena Wolfenson
Apoie Siga-nos no

Ontem, 27, a escritora, editora e ativista Djamila Ribeiro se tornou a primeira pessoa brasileira a ser laureada no BET Awards, o maior prêmio da comunidade negra estadunidense. Djamila foi consagrada na categoria Global Good, fazendo companhia ao cantor estadunidense Akon, à ativista francesa Assa Traoré, à cantora e ativista sul-africana Yvonne Chaka, entre outras pessoas.

Ao contrário de outras categorias em que houve votação, na categoria Global Good a pessoa laureada é escolhida pelo próprio BET. A razão apontada pela premiação para a escolha de Djamila se deve ao seu trabalho intelectual pela equidade racial e de gênero no Brasil, como também pelo seu trabalho editorial que visibiliza produções críticas feitas por pessoas negras no país e no exterior, beneficiando toda a comunidade negra global.

Em suas redes sociais, a filósofa, que compôs os quadros de colunista de CartaCapital durante anos, colecionando seus artigos mais célebres na obra “Quem tem medo do Feminismo Negro?” (Companhia das Letras), celebrou a premiação.

“Fico muito feliz pelo reconhecimento, sobretudo vindo de um canal internacional voltado para a cultura negra. Um prêmio a uma mulher preta brasileira reconhecida por seu trabalho intelectual, mas também por democratizar o acesso a epistemologias negras com seu trabalho editorial que, coletivamente, visibilizou narrativas fundamentais. Não é fácil, é uma longa caminhada, muitas vezes com percalços. Não é fácil ser uma mulher negra retinta nesse país, mas não trocaria minha jornada por nada. Viva Exu, viva Ogum e viva Oxóssi!”, afirmou.

Os artistas brasileiros Emicida e MC Dricka também foram indicados na mesma cerimônia. Emicida concorreu na categoria Melhor Artista internacional, na qual saiu vencedor o cantor nigeriano Burna Boy. Já MC Dricka representou o país na categoria Escolha da Audiência – Revelação Internacional, que, por votação do público, laureou a cantora britância Bree Runway. Nos últimos anos, a cantora MC Soffia e o rapper Djonga já haviam sido indicados, porém nenhum brasileiro jamais havia ganhado o prêmio.

Na mesma edição que premiou Djamila Ribeiro, a artista Queen Latifah foi homenageada por sua carreira vitoriosa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.