CartaExpressa

Zanin arquiva ação contra Bolsonaro por omissão na compra de vacina da Covid

O ministro do STF mencionou ‘o quadro fático e sanitário atual’ para encerrar o processo

Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal, arquivou nesta quinta-feira 31 uma ação da Rede Sustentabilidade contra o ex-presidente Jair Bolsonaro.

O partido acionou o STF em outubro de 2020 para questionar a conduta do ex-capitão contra a compra da vacina Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan para combater a Covid-19.

Em 20 de outubro de 2020, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou a aquisição de 46 milhões de doses do imunizante, mas foi desautorizado por Bolsonaro no dia seguinte.

Zanin seguiu um parecer da Advocacia-Geral da União segundo o qual a ação teria perdido o objeto, considerando “a mudança do estado de fato subjacente à demanda”.

“Verifico que assiste razão à AGU, uma vez que o quadro fático e sanitário atual encontra-se estabilizado, sendo desnecessária a continuidade da tramitação da presente ação”, decidiu o ministro. Segundo ele, aceitar a ação seria uma “inutilidade”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.