CartaExpressa

Youtube tira do ar vídeo com declarações mentirosas de Bolsonaro

Em entrevista ao canal do filho Eduardo, presidente disse que pandemia estava perto do fim e não tinha pressa para compra de vacinas

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O Youtube retirou do ar um vídeo do canal do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em que seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, afirma que “a pressa para a vacina não se justifica”.

No vídeo, publicado em 19 de dezembro de 2020, o ex-capitão ainda diz que “a pandemia realmente está chegando ao fim”.

“Os números têm mostrado isso aí. Estamos com uma pequena ascensão agora, o que se chama de pequeno repique; pode acontecer. Mas pressa para a vacina não se justifica, porque você mexe com a vida das pessoas”, declarou o presidente que era entrevistado pelo filho parlamentar.

Ao tentar acessar o link nesta terça-feira 7, a plataforma de vídeos informa: “Este vídeo foi removido por violar as diretrizes da comunidade do YouTube”.

Na gravação, Bolsonaro comenta a Medida Provisória que destinava 20 bilhões de reais para o Ministério da Saúde para compra de imunizantes contra o coronavírus. “Não tenho pressa para gastar esse dinheiro”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.