Viúva de Bruno Pereira, indigenista assassinado, lança campanha para tratamento do filho

Pedro, de 5 anos, foi diagnosticado com neuroblastoma estágio 4, um câncer agressivo que cresce em partes do sistema nervoso ou nas glândulas adrenais

Créditos: Reprodução

Apoie Siga-nos no

A antropóloga Beatriz de Almeida Santos, viúva do indigenista Bruno Pereira, assassinado no Vale Javari, na região Amazônica, em junho de 2022, criou uma vaquinha para ajudar no tratamento do filho do casal, que está com câncer.

Pedro, de apenas 5 anos, foi diagnosticado com neuroblastoma estágio 4, no ano passado, um câncer agressivo que cresce em partes do sistema nervoso ou nas glândulas adrenais.

“Aos 5 anos, depois de 5 meses fazendo quimioterapia em hospital público, a luta do Pedro é para que o câncer não se espalhe“, escreveu a mãe no texto que acompanha a vaquinha.

A mobilização é para garantir ao filho o medicamento Qarziba (betadinutuximabe), de alto custo, e deve ser importado, uma vez que não é garantido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“Vamos salvar o Pedro. Entra nessa vaquinha. Colabore como puder. Pedro é filho do Bruno. Pedro é filho da Beatriz. Pedro é nosso filho. É filho do Brasil. Salve Pedro”, diz um trecho da mobilização.

A vaquinha, que tem uma meta estabelecida de 2 milhões, já tinha alcançado mais de 600 mil reais até o fechamento desta reportagem.


Para proteger e incentivar discussões produtivas, os comentários são exclusivos para assinantes de CartaCapital.

Já é assinante? Faça login
ASSINE CARTACAPITAL Seja assinante! Aproveite conteúdos exclusivos e tenha acesso total ao site.
Os comentários não representam a opinião da revista. A responsabilidade é do autor da mensagem.

0 comentário

Relacionadas

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.