CartaExpressa

Vice-presidente da Câmara projeta derrubada do veto de Lula à desoneração da folha

Segundo Marcos Pereira (Republicanos-SP), o projeto é ‘crucial’ para os 17 setores beneficiados

O presidente do Republicanos, deputado Marcos Pereira. Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP), afirmou nesta sexta-feira 24 que o Congresso Nacional deve derrubar o veto do presidente Lula (PT) à prorrogação até 2027 da desoneração da folha de pagamentos.

“O projeto é crucial para os 17 setores prestigiados. Não é o melhor modelo, mas é o que foi possível. Meu sentimento é que o Congresso tende a derrubar o veto”, afirmou o presidente do Republicanos em um evento do grupo Esfera Brasil.

Sem a desoneração, as empresas teriam de arcar com impostos equivalentes a 20% da folha de pagamentos. O projeto permite que os empresários passem a pagar uma alíquota de 1% a 4,5% sobre a receita bruta.

Na manhã desta sexta, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), disse que formulará propostas para reduzir os efeitos sobre os setores após a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, que acontece nos Emirados Árabes a partir da semana que vem.

“Nós vamos apresentar ao presidente Lula um conjunto de medidas que podem ser tomadas no fim do ano para equacionar esse problema”, assegurou.

Três das principais centrais sindicais do Brasil – Força Sindical, UGT e CSB – criticaram a decisão de Lula. A CUT, por sua vez, endossou o veto do presidente.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.