CartaExpressa

‘Vi na internet’, diz Moro ao sugerir que Zanin seria padrinho de casamento de Lula

O advogado afirmou que sua relação com o petista ‘se estabeleceu ao longo do tempo’, devido aos laços profissionais

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O senador Sergio Moro (União-PR), ex-juiz da Lava Jato, repercutiu uma notícia falsa nesta quarta-feira 21, durante a sabatina do advogado Cristiano Zanin, indicado pelo presidente Lula (PT) para uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

“Vi na internet – não sei se é procedente ou não – que Vossa Excelência teria sido padrinho do recente casamento do presidente. Não sei se é verdade ou não. Se não for, peço até minhas escusas, mas é importante termos presente essa relação, se ela vai além da atuação como advogado particular”, disse Moro na sessão.

Zanin respondeu que sua relação com o petista “se estabeleceu ao longo do tempo, na condição de advogado”, e negou a ligação pessoal sugerida pelo ex-magistrado.

“Não fui padrinho do casamento do presidente Lula e prezo muito por esta relação, assim como a relação que tenho com outras pessoas, inclusive deste Senado”, emendou o advogado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.