CartaExpressa

Valdemar classifica como ‘perseguição’ operação da PF que mira Ramagem

A Polícia Federal investiga um esquema ilegal de espionagem, que monitorava cidadãos comuns e autoridades

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto. Foto: Reprodução/Twitter
Apoie Siga-nos no

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, criticou a operação deflagrada pela Polícia Federal nesta quinta-feira 25 e que teve como um dos alvos o ex-diretor da Abin e atual deputado federal, Alexandre Ramagem.

Está claro que mais essa operação da PF de hoje contra o deputado Alexandre Ramagem é uma perseguição por causa do Bolsonaro”, escreveu Valdemar em suas redes sociais.

“Esse negócio de ficar entrando nos gabinetes é uma falta de autoridade do Congresso Nacional. Rodrigo Pacheco deveria reagir e tomar providências”, completou.

Agentes da PF cumpriram mandados de busca e apreensão no gabinete de Ramagem, bem como em seu apartamento funcional.

A PF investiga um esquema ilegal de espionagem, que monitorava cidadãos comuns e autoridades. Segundo os investigadores, o grupo envolvido no esquema utilizava de ferramentas de geolocalização de dispositivos móveis sem a devida autorização judicial. Estão sendo cumpridos 21 mandados de busca e apreensão, além de medidas cautelares, como a suspensão imediata do exercício das funções públicas de sete policiais federais. As diligências de busca e apreensão ocorrem em Brasília, nas cidades mineiras de Juiz de Fora, São João Del Rei e no Rio de Janeiro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.