CartaExpressa

‘Vacinas e medicamentos estão garantidos’ para o RS, afirma Nísia Trindade

Ministra criticou ainda a onda de desinformação que vem levando pânico à população

A ministra da Saúde, Nísia Trindade. Foto: Walterson Rosa/MS
Apoie Siga-nos no

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, afirmou nesta sexta-feira 17 que com os novos aportes para a reconstrução da rede de frios no Rio Grande do Sul, o estoque de vacinas e medicamentos para o estado está garantido.

A ministra criticou ainda a onda de desinformação que vem levando pânico à população. “Vacinas e medicamentos estão garantidos. Bem como a conservação das vacinas com esse recurso que nos permite recuperar a rede de frios no estado”, disse.

Nesta sexta, o Ministério da Saúde definiu uma série de orientações sobre esquemas de vacinação em abrigos do Rio Grande do Sul.

A pasta recomenda priorizar doses contra a influenza, a covid-19, o tétano, a hepatite A e a raiva.

“Os imunizantes foram escolhidos depois de análise técnica detalhada buscando, sobretudo, a proteção das pessoas que tiveram contato com águas de enchentes, bem como profissionais, socorristas e voluntários que estão apoiando as ações de resgate e assistência no estado gaúcho”, destacou a pasta no comunicado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.