CartaExpressa

UE considera ‘inaceitáveis’ as ordens de evacuação de civis de Rafah

Declaração foi feita pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel. Foto: Olivier Hoslet/AFP
Apoie Siga-nos no

As ordens israelenses para evacuar civis em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, são “inaceitáveis” para a União Europeia (UE), declarou neste sábado (11) o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

O exército israelense havia ordenado anteriormente que os palestinos deixassem mais áreas do leste de Rafah, cidade no extremo sul do território palestino onde se concentraram cerca de 1,4 milhões de pessoas.

“As ordens de evacuação de civis presos em Rafah para áreas inseguras são inaceitáveis”, escreveu no X Michel, que preside o órgão da UE encarregado de definir as grandes diretrizes e prioridades políticas do bloco.

“Pedimos ao governo israelense que respeite o direito internacional humanitário e instamos que não empreenda nenhuma operação terrestre em Rafah”, acrescentou.

Michel também apontou que “as passagens fronteiriças devem funcionar plenamente e permitir a passagem de ajuda humanitária essencial em meio a uma fome generalizada” e pediu que os esforços para alcançar um cessar-fogo duradouro continuem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.