CartaExpressa

Tebet prevê aprovação da reforma tributária para o fim do ano

A ministra do planejamento apontou que o governo enfrentará mais dificuldade na tramitação da pauta no Senado

A ministra do Planejamento, Simone Tebet. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, previu que a reforma tributária, pauta que deve suceder a do novo arcabouço fiscal na área econômica, só deve ser aprovada pelo Congresso no fim do ano.

“Teremos mais dificuldades no Senado”, reconheceu a ministra nesta terça-feira 30, durante participação em um debate online promovidos pelos jornais O Globo e Valor. “A reforma deve ser aprovada na Câmara no primeiro semestre, mas deve levar um semestre inteiro no Senado.”

Tebet também se mostrou confiante diante a aprovação do novo arcabouço fiscal no Senado e considerou positivas as alterações propostas ao texto original do governo pelo relator Cláudio Cajado (PP-BA). Segundo a ministra, o projeto formulado pela Fazenda com a colaboração do seu ministério foi enviado ao Congresso sem “gordura” para negociação.

“Qualquer mexida impacta na possibilidade de gastos discricionários”, declarou.

Uma das críticas ao texto que segue para apreciação no Senado é a de que o Fundeb passou a ser incorporado às novas regras fiscais. Críticos apontam perdas orçamentárias à educação e impactos a programas da área como merenda escolar, transporte, e livros didáticos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.