CartaExpressa

Tarcísio sanciona lei de implementação das escolas cívico-militares em SP

Segundo o governador, as comunidades escolares terão de manifestar interesse para aderir ao modelo

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas. Foto: Marco Galvão/Alesp
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos) sancionou, nesta segunda-feira 27, o projeto de lei que viabiliza a implementação das escolas cívico-militares na rede municipal e estadual de educação.

O texto, de autoria do próprio governador, foi aprovado em votação na última semana na Assembleia Legislativa por 54 votos a favor e 21 contra. A sessão, inclusive foi marcada por repressão contra estudantes que protestavam contra a medida.

Após sancionar a lei, o governador afirmou as comunidades escolares é quem vão aderir ao modelo.

“Ninguém vai ser obrigado a estudar numa escola cívico-militar, só quem quiser. A comunidade escolar vai ter que topar, aquele município vai ter que topar”, disse Tarcísio.

O governo anunciou que dará início à implantação do programa ainda neste ano em unidades com índices de rendimento escolar inferiores à média estadual, atrelados a índices de vulnerabilidade social e fluxo escolar (aprovação, reprovação e abandono). A expectativa é que de 50 a 100 escolas adotem o modelo no Estado, segundo a Secretaria de Educação.

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, também confirmou, no domingo 26, que a prefeitura vai aderir ao programa, sem dar mais detalhes sobre a iniciativa.

O programa de escolas cívico-militares é alvo de críticas por especialistas, que questionam a presença de policiais dentro das escolas, e sustentam que o modelo não traz avanços para a qualidade da educação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.