CartaExpressa

Privatização da Sabesp: Tarcísio muda o tom e admite que as tarifas ficarão mais caras apesar da privatização

‘A tarifa vai subir, mas a privatização garante que ela vai subir num valor menor’, disse o governador durante um evento na segunda-feira 11

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), reconheceu que a tarifa da água deve subir, após a privatização da Sabesp.

A tarifa vai subir, mas a privatização garante que ela vai subir num valor menor“, disse, na segunda-feira 11, durante evento promovido pela XP Investimentos. As informações são da Folha de S. Paulo.

Com a declaração, o governo recua do principal argumento utilizado para defender a privatização da Sabesp – o de que as tarifas ficariam mais baratas.

A desestatização da companhia foi aprovada na Assembleia Legislativa de São Paulo, e sancionada por Tarcísio na sexta-feira 8. A aprovação da pauta na Alesp foi marcada por forte oposição e confrontos entre manifestantes e a Polícia.

Após o governador sancionar a proposta que permite a privatização da Sabesp, o governo divulgou uma nota oficial ainda alegando que a desestatização da companhia traria ‘redução da tarifa’.

Print de nota do governo de SP mostra texto que diz que tarifa da conta de água irá reduzir com a privatização da Sabesp - Metrópoles Nota do governo falava em reduzir a tarifa da conta de água com a privatização da Sabesp

A lei que autorizou a desestatização estabelece que 30% do arrecadado com a venda de ações será usado para criar um novo fundo para “proporcionar modicidade tarifária”. Segundo declarações do governador e demais integrantes do governo isso significava baixar a tarifa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.