CartaExpressa

Suplentes de ministros de Lula tomam posse na Câmara dos Deputados

Na quinta-feira 2, já haviam sido empossados Orlando Silva (PCdoB) e Adilson Barroso (PL)

O plenário da Câmara dos Deputados na noite da reeleição de Arthur Lira. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O plenário da Câmara empossou nesta sexta-feira 3 os suplentes dos deputados que pediram licença para assumir postos em ministérios e secretarias.

Na quinta-feira 2, já haviam tomado posse Orlando Silva (PCdoB), que assumiu a vaga de Luiz Marinho (PT), ministro do Trabalho; e Adilson Barroso (PL), que entrou no lugar de Guilherme Derrite (PL), secretário de Segurança Pública de São Paulo.

Tomaram posse nessa sexta-feira:

  • Dr. Benjamim (União), na vaga de Juscelino Filho (União), ministro das Comunicações;
  • Geovânia de Sá (PSDB), na vaga de Carmen Zanotto (Cidadania), secretária de Saúde de Santa Catarina;
  • Ivan Valente (PSOL), na vaga de Marina Silva (Rede), ministra do Meio Ambiente;
  • Ricardo Abrão (União), na vaga de Daniela Carneiro (União), ministra do Turismo;
  • Luciene Cavalcante (PSOL), na vaga de Sônia Guajajara (PSOL), ministra dos Povos Indígenas;
  • Vicentinho (PT), na vaga de Alexandre Padilha (PT), ministro da Secretaria de Relações Institucionais; e
  • Reginete Bispo (PT), na vaga de Paulo Pimenta (PT), ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social.

Na semana que vem, outros parlamentares assumirão cadeiras na Câmara dos Deputados como suplentes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar