CartaExpressa

Superfaturamento em equipamentos contra a Covid-19 motiva operação da PF em Duque de Caxias

Operação se baseia em investigações da Polícia Federal (PF) e da Controladoria-Geral da União (CGU); prejuízo estimado está na casa dos 5 milhões de reais

Foto: Divulgação/PF
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quarta-feira 20, a Operação Janus, que tem como objetivo apurar o suposto superfaturamento em compras de equipamentos de combate à Covid-19 pela Prefeitura de Duque de Caxias (RJ).

Segundo as investigações, o caso pode ter levado a um prejuízo de 5 milhões de reais aos cofres públicos.

Na operação desta quarta, cerca de cinquenta policiais federais e doze auditores da Controladoria-Geral da União (CGU) cumprem dez mandados de busca e apreensão em endereços residenciais e empresas no Rio de Janeiro, em Duque de Caxias e Bom Jardim.

“Os valores dos contratos firmados entre 2020 e 2022 pela Prefeitura de Duque de Caxias (RJ) com a empresa investigada superaram R$ 60 milhões. Em um dos contratos analisados pela CGU, o valor alcançava cerca de R$ 27 milhões para aquisição de equipamentos a serem utilizados no período da pandemia de Covid-19”, explicou a CGU, através de nota.

O órgão informou, ainda, que “as investigações verificaram que contratações eram direcionadas para empresa que possuía supostos vínculos com servidores municipais e que os preços contratados eram, em regra, superiores aos parâmetros de mercado, além de indícios de conluio entre as empresas participantes da cotação de preços e de lavagem de capitais”. 

Segundo informações da TV Globo, um dos alvos da operação seria o ex-secretário de Saúde de Caxias, José Carlos de Oliveira. Até o momento, ele ainda não se manifestou sobre a operação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar