CartaExpressa,Política

‘Sentimento de perplexidade’, diz o decano do STF após o Exército livrar Pazuello

‘Sentimento de perplexidade’, diz o decano do STF após o Exército livrar Pazuello

O ministro Marco Aurélio Mello. Foto: Nelson Jr./STF

O ministro Marco Aurélio Mello. Foto: Nelson Jr./STF

O ministro Marco Aurélio Mello, decano do Supremo Tribunal Federal, disse nesta quinta-feira 3 que “o sentimento é de perplexidade” ante a decisão do Exército, anunciada nesta tarde, de livrar o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de qualquer punição por comparecer a um ato político com o presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o ministro do STF, a postura do Exército, cujo impacto ainda não se pode mensurar, abre um “preocupante precedente” e contraria princípios fundamentais para as Forças Armadas. A declaração foi feita em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

“Aprende-se que disciplina e hierarquia são a medula óssea das Forças Armadas. Nesta ordem, disciplina e hierarquia”, acrescentou Marco Aurélio.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta, Bolsonaro tentou argumentar que o ato no Rio de Janeiro com o general Pazuello não teve caráter político.

“Foi um movimento de motociclistas, pela liberdade e em apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Alguma coisa política nisso? Tinha alguma bandeira vermelha lá? Acho que ninguém tem coragem de levantar uma bandeira vermelha no meio daquele povo. Tinha alguma bandeira de partido político? Nada”, disse o ocupante do Palácio do Planalto na live.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem