CartaExpressa

Senado tem data para votar quarentena de militares que desejam se candidatar a cargos políticos

Com 898 artigos, o novo Código Eleitoral consolida toda a legislação eleitoral e partidária, atualmente dispersa em sete leis diferentes

Senador Marcelo Castro (MDB-PI). Foto: Lula Marques/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado deve votar o novo Código Eleitoral em 5 de junho, segundo o relator, Marcelo Castro (MDB-PI). Ele concedeu a declaração após uma reunião de líderes com o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Castro avalia que se a CCJ aprovar o texto na manhã do dia 5, o plenário do Senado poderá votá-lo no mesmo dia.

Com 898 artigos, o documento consolida toda a legislação eleitoral e partidária, atualmente dispersa em sete leis diferentes.

Entre outros pontos, o novo Código estabelece uma quarentena para carreiras de Estado consideradas incompatíveis com a atividade política, como juízes, integrantes do Ministério Público, policiais federais, policiais rodoviários federais, policiais civis, guardas municipais, militares e policiais militares.

Para concorrer a um cargo eletivo, eles deverão se afastar do posto quatro anos antes do pleito.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar