CartaExpressa,Sociedade

Sem provas, Bolsonaro insinua fraude em número de mortes por Covid: ‘Laudos forçados’

Sem provas, Bolsonaro insinua fraude em número de mortes por Covid: ‘Laudos forçados’

PRESIDENTE JAIR BOLSONARO. FOTO: ALAN SANTOS/PR

PRESIDENTE JAIR BOLSONARO. FOTO: ALAN SANTOS/PR

O presidente Jair Bolsonaro insinuou nesta terça-feira 26 que dados sobre as mortes por Covid-19 são superdimensionados. Ele, no entanto, não apresentou qualquer evidência para justificar a alegação.

Em evento promovido por um banco, Bolsonaro declarou, segundo o Correio Braziliense, que “muitos laudos (de óbitos por Covid-19) são forçados, dados como se Covid fossem. Na verdade, nós sabemos que não é. Mas vamos supor que todos os laudos fossem verdadeiros”.

De acordo com dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Brasil registrava na segunda-feira 25, data do mais recente boletim, 217.664 mortes pelo novo coronavírus. A média móvel dos últimos sete dias, conforme monitoramento do Conass, é de 1.052.

O presidente também voltou a defender o ‘tratamento precoce’ contra a doença, baseado em medicamentos sem eficácia comprovada. “Há poucos meses, nós éramos o quarto país em mortes por milhão de habitantes, hoje somos o 26º. Alguma coisa aconteceu. Isso no meu entender é a preocupação, o profissionalismo do médico brasileiro, que busca uma solução para esse problema. Porque, afinal de contas, muitas doenças não teríamos achado o remédio se não fosse o tratamento off label, fora da bula, feito lá atrás”.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem