CartaExpressa

Secretário de Tarcísio deleta foto de maconha com adesivo de Lula após notificação da AGU

Em caso de descumprimento da solicitação, o órgão projetava medidas judiciais contra o responsável pela segurança pública em São Paulo

Tarcísio de Freitas e Guilherme Derrite. Foto: Divulgação/Governo de São Paulo
Apoie Siga-nos no

O secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, Guilherme Derrite, apagou das redes sociais as imagens que havia publicado de pacotes de maconha com adesivos contendo a imagem do presidente Lula (PT) e a frase “faz o L”.

Na legenda, Derrite afirmava que a imagem se tratava de uma apreensão de maconha que iria de Mato Grosso do Sul a São Paulo. 

O responsável pela segurança no governo de Tarcísio de Freitas disse, em nota, ter deletado a foto após a notificação extrajudicial apresentada pela Advocacia-Geral da União na quinta-feira 14. Declarou também que “em nenhum momento objetivou associar a imagem do presidente da República ao tráfico de drogas, mas enaltecer o bom trabalho dos agentes públicos no impedimento de que entorpecentes acessem o estado de São Paulo via fronteiras”.

Na notificação, a AGU solicitou a remoção das postagens no X (ex-Twitter) e no Instagtam. Segundo o braço jurídico do governo Lula, havia “caráter político” nas publicações do secretário.

“Em caso de não cumprimento do pedido, a AGU adotará as medidas judiciais cabíveis para reparar o ato e responsabilizar o agente público pela conduta”, informou o órgão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.