CartaExpressa

Secretário de Guedes tem dois fundos beneficiados em licitação do BNDES

O banco público previu repasse de 4 bilhões a fundos que emprestariam dinheiro para micro e pequenas empresas

O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Sergio Lima/AFP
O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Sergio Lima/AFP

Dois fundos de investimento ligados ao secretário Especial de Desburocratização do Ministério da Economia, Caio Paes de Andrade, foram beneficiados em uma licitação pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As informações são do jornal Estado de S. Paulo.

Um dos fundos contemplados, o Libra Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios, é gerido pela empresa Captalys Gestão LTDA, da qual é sócia a empresária Margot Alyse Greenman, esposa de Paes de Andrade. O outro, BSA FIC FIDC, era gerido por uma empresa que tinha em seu quadro societário a Finvest Finanças e Investimentos S.A, da qual o secretário era integrante do conselho de administração. Paes de Andrade atuou no conselho até 5 de novembro de 2020, ou seja, era integrante enquanto acontecia a licitação.

O BNDES previu um repasse de 4 bilhões, via licitação, em maio do ano passado, a fundos de investimentos que emprestariam dinheiro para micro e pequenas empresas. O repasse de dinheiro aos fundos seria uma estratégia de fazer com que o dinheiro chegasse mais rápido no mercado. Na época, o governo federal lançou iniciativas como o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) e o Programa Capital de Giro.

À reportagem, Paes afirmou não ter influenciado na licitação. O secretário chegou ao Ministério da Economia em agosto de 2020, para substituir o economista Paulo Uebel, que saiu do ministério comandado por Paulo Guedes descontente com a falta de progresso da reforma administrativa no Congresso.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!