CartaExpressa

Saúde libera R$ 51 milhões para reconstrução da atenção primária no RS

Valor será destinado a 43 municípios que estão em estado de calamidade

Atendimento do SUS no Rio Grande do Sul. Foto: Gabriel Galli/MS
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Saúde publicou, nesta sexta-feira 7, uma portaria que libera 51 milhões de reais para a reconstrução da Atenção Primária à Saúde no Rio Grande do Sul.

A pasta vai liberar o valor em caráter excepcional e em parcela única para 43 municípios que estão em estado de calamidade.

O secretário de Atenção Primária à Saúde , Felipe Proenço, explicou o critério de escolha das cidades a serem contempladas. “São aquelas que foram visitadas pelo Ministério da Saúde e, em reunião com os gestores municipais, pactuamos um plano de ação conjunta”, observa.

“Essa é uma primeira portaria de outras que sairão, pois temos mais municípios em estado de calamidade e já estamos em contato com esses gestores. A atenção primária é fundamental nesse momento, pois são esses profissionais que estão atendendo as pessoas nos abrigos e aquelas pessoas que precisam de suporte”, acrescenta.

A medida visa expandir a atenção primária no estado afetado pelas fortes chuvas com:

  • 57 equipes de Saúde da Família;
  • 199 Agentes Comunitários de Saúde (ACSs);
  • 115 equipes de Saúde Bucal (de 40 horas);
  • 2 Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias;
  • 1 Centro de Especialidades Odontológicas;
  • 4 implantações e 2 habilitações de SESB; e
  • 291 equipes multiprofissionais na APS.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.