CartaExpressa

Santos Cruz reage à decisão do Exército de não condenar Pazuello: ‘Vergonha’

Santos Cruz reage à decisão do Exército de não condenar Pazuello: ‘Vergonha’

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ex-ministro da Secretaria de Governo, o general da reserva Santos Cruz, considerou como “vergonha” a decisão do
Exército de não punir o ex-ministro da Saúde e general da ativa, Eduardo Pazuello, por ter comparecido a um ato político junto com o presidente Jair Bolsonaro no dia 23 de maio. Cruz publicou um texto em suas redes sociais nesta sexta-feira 4 se manifestando sobre o caso.

“Ontem, 3 de junho de 2021, fui surpreendido com telefonemas e mensagens de dezenas de jornalistas sobre o encerramento do caso Pazuello. Em atenção ao trabalho que fazem, sempre respondo, mesmo que seja para informar que nada tenho a dizer. Mas ontem eu não disse nada. Por vergonha”, diz a introdução da publicação.

 

 

Ainda durante o texto, o general tece críticas ao presidente Bolsonaro e afirma que a ação é alinhada ao projeto pessoal de poder do mandatário.

“Sobre o conjunto dos fatos, é uma desmoralização para todos nós. Houve um ataque frontal à disciplina e à hierarquia, princípios fundamentais à profissão militar. Mais um movimento coerente com a conduta do Presidente da República e com seu projeto pessoal de poder. A cada dia ele avança mais um passo na erosão das instituições”, escreveu.

“Falta de respeito pessoal, funcional e institucional. Desrespeito ao Exército, ao povo e ao Brasil. Frequentemente, com sua conduta pessoal, ele procura desrespeitar, desmoralizar pessoas e enfraquecer instituições”, acrescentou.

Na sequência, Cruz critica a politização das Forças Armadas e afirma que não se pode aceitar a subversão da ordem, disciplina e hierarquia no Exército.

“Não se pode aceitar a SUBVERSÃO da ordem, da hierarquia e da disciplina no Exército, instituição que construiu seu prestígio ao longo da história com trabalho e dedicação de muitos. Péssimo exemplo para todos. Péssimo para o Brasil. À irresponsabilidade e à demagogia de dizer que esse é o “meu exército”, eu só posso dizer que o “seu exército” NÃO É O EXÉRCITO BRASILEIRO. Este é de todos os brasileiros. É da nação brasileira.” afirmou.

“A politização das Forças Armadas para interesses pessoais e de grupos precisa ser combatida. É um mal que precisa ser cortado pela raiz”, finalizou.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem