CartaExpressa

Salários de até R$ 2.640 não terão retenção de IR a partir de 1º de maio

Segundo o ministro Luiz Marinho, este é o ‘1º degrau’ na política de ampliação da faixa de isenção do IR prometida pelo presidente Lula

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho. Foto: Douglas Magno/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, declarou, nesta sexta-feira 28, que os salários de até R$ 2.640 não terão retenção de Imposto de Renda a partir de 1º de maio. O chefe ministerial lembrou que esse é o ‘1º degrau’ na política de ampliação da faixa de isenção do IR prometida pelo governo.

“Há o compromisso do presidente Lula de, ao longo do mandato, isentar na tabela do Imposto de Renda salários de até R$ 5.000. Como 1º degrau, os salários de até R$ 2.640 não terá retenção na folha de pagamento do Imposto de Renda. Isso vai ajudar muito no poder aquisitivo da classe trabalhadora”, declarou Marinho.

Ainda de acordo com o ministro, a ampliação de isenção do IR deve ser encaminhada via medida provisória até o dia 1º de maio, dia em que se comemora o Dia do Trabalho.

Para a data está previsto ato em São Paulo, no Vale do Anhangabaú, com a participação de Marinho. O presidente Lula (PT) ainda avalia sua participação. O governo ainda prevê o reajuste do salário mínimo para data.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.