CartaExpressa

Roberto Jefferson aciona o STF para não ter de pagar hospital no Rio

Segundo a defesa, a Amil informou em 23 de agosto que não bancaria mais os custos da internação

O ex-deputado Roberto Jefferson. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-deputado Roberto Jefferson pediu ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, para não pagar as despesas médicas no Hospital Samaritano Botafogo, no Rio de Janeiro, onde está internado.

Segundo a defesa, a Amil informou em 23 de agosto que não bancaria mais os custos da internação, uma vez que Jefferson “encontra-se em condições de alta hospitalar”.

Os advogados sustentam, por outro lado, que seu cliente deve continuar no hospital e que as despesas têm de ser pagas. Na semana passada, Moraes autorizou o ex-deputado a permanecer internado.

Ao acionar Moraes, a defesa pediu que o ministro proíba a Amil de cobrar pela estadia de Jefferson, “em decorrência de o mesmo depender de acompanhamento médico multidisciplinar”.

Caso não seja essa decisão do magistrado, prossegue a petição, o STF deveria converter a prisão preventiva em “prisão domiciliar humanitária”.

Jefferson está preso desde outubro do ano passado, quando atirou e lançou granadas contra policiais que cumpriam um mandado de prisão. No início de junho, Moraes autorizou sua transferência para a unidade de saúde, após um documento apontar possível traumatismo craniano.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.