CartaExpressa

Rio Grande do Norte registra novos ataques e Natal suspende o transporte público

Conforme o mais recente balanço da Polícia Militar, 28 pessoas foram presas desde o início das ações criminosas

Uma loja de motos em Natal foi alvo de criminosos. Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana de Natal informou que a frota de ônibus do transporte público voltou a ser recolhida às garagens por volta das 11h desta quarta-feira 15.

A decisão da pasta ocorre após a capital do Rio Grande do Norte registrar um novo ataque a ônibus. Um veículo foi incendiado por volta das 10h30. Não há feridos nesta ação criminosa.

O transporte público já havia sido suspenso na tarde da terça 14 após diversos ataques a cidades do RN desde a madrugada.

Quase 30 municípios do estado foram alvo de ataques criminosos desde as primeiras horas de terça-feira. Na madrugada desta quarta, 100 agentes da Força Nacional chegaram ao estado, autorizados pelo ministro da Justiça, Flávio Dino.

Conforme o mais recente balanço da Polícia Militar, 28 pessoas foram presas desde o início dos ataques. Uma pessoa morreu em um confronto com a polícia e duas ficaram feridas durante uma ação de criminosos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar