CartaExpressa

Polícia de SC investiga crime de racismo praticado por policial da reserva: ‘Não suporto negro’

Polícia de SC investiga crime de racismo praticado por policial da reserva: ‘Não suporto negro’

Em vídeo que circula nas redes sociais, Hélio Martins xinga o filho de uma mulher que, supostamente, seria sua ex-companheira

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

A Polícia de Santa Catarina abriu um inquérito para investigar crime de racismo praticado por um policial militar da reserva em São Ludgero, cidade a cerca de 180 km de Florianópolis. Em vídeo que circula nas redes sociais, o policial identificado como Hélio Martins, 57 anos, diz que é racista e ‘não suporta negro’.

O homem se refere ao filho de uma mulher, que filma suas declarações Ela seria sua ex-companheira. Ele chama o filho da mulher que faz a gravação de “negro desgraçado” e “pirracento”. Ao ser questionado por ela do motivo de tanto ódio por “gente morena”, ele responde:

“Porque eu tenho ódio, eu sou racista, eu não suporto negro. Eu tenho amigo negro, mas amigo decente, não essa negrada do caralho que é marrenta que nem tu”.

A mulher ainda pede que o homem não bata nela, momento em que ele a ameaça com um chinelo. ““Quer ver? Fala de novo, sua macaca do caralho, demônio desgraçado”, disse o homem.

 


O delegado responsável pela delegacia na cidade, Éder Matte, confirmou a abertura de um inquérito na sexta-feira 17 para apurar crime de racismo, que tem pena de reclusão de um a três anos e multa. Não se sabe exatamente quando o vídeo foi gravado, mas o delegado diz ser um caso recente. O delegado também pretende ouvir a mulher que fez a filmagem para iniciar uma investigação por ameaça. A investigação, no entanto, depende de representação da vítima.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem